11

Resposta ao Desafio do Dia das Mães - Desafio de Imagem

Posted by Samantha Freitas on 16 de maio de 2013 06:00 in , , , , ,
Desafio para o Dia das Mães - O presente da mamãe!

Nossa querida Nanda, nos desafiou com imagens para o dia das mães. Foi devidamente aceito, porém infelizmente não houve tempo hábil para escrever e postar antes do Dia das Mães... então.... 

Segue abaixo a imagem e o desafio. Sabe... desta vez quis inovar e escrever algo para crianças. Então, essa história, vai para todas as mamães que querem contar uma historinha antes de colocar seu filhotinho para dormir... 



Cinco Corujinhas irmãs
Viviam a brincar
Escondidas nas asas da mãe
Com medo de sair e voar

De todas, a menor era a Bolinha
Também era a mais levada
Arriscou sair da asinha
Porque era a mais ousada

A mais velha era a Mocinha
Também era a mais sábia
Enrolava sua mãezinha
Porque tinha uma grande lábia

Todas as outras eram medrosas
Não saíam nem para passear
Mas agora realmente,
A história vou lhes contar...


As cinco corujinhas se reuniram. Queriam dar um presente para a Mamãe Coruja. Dia das Mães se aproximava e assim como os humanos, as corujinhas queriam preparar algo diferente. Queriam demonstrar todo seu amor pela mamãe mais linda do mundo que as alimentava, protegia do frio e dos predadores, oferecendo para ela um presente.

A idéia delas, que eram todas tão branquinhas, era conseguir uma flor colorida para enfeitar a mamãe. Briga daqui, briga de lá... Ninguém queria se arriscar. Estavam seguras na toca da mamãe. 

Bolinha, apesar de menor, era também a mais corajosa. Mas ninguém queria deixá-la sair sozinha a procurar. Afinal, ela também era uma corujinha muito inconsequente. Nunca pensava no que podia dar errado. Então... ficou decidido que ao amanhecer, sairiam Bolinha e Mocinha.

Isso, porque as corujas, são bichinhos notívagos. De noite elas estão acordadas e de dia dormem... Assim, poderiam sair quando Mamãe Coruja estivesse dormindo e aí poderiam procurar uma linda e cheirosa flor com calma.

O maior problema, é que estavam no inverno. E o inverno era bastante rigoroso naquela região. As árvores, os arbustos, até mesmo a relva... Tudo à volta revelava uma paisagem única, branquinha e coberta de neve.

O dia amanheceu e Bolinha e Mocinha colocaram suas patinhas fora do Oco do Tronco, onde elas moravam. Voltaram rapidamente, pois a luz ofuscou seus olhos. Esperaram alguns instantes para acostumarem e saíram... Com muito medo do mundo lá fora...

Depois de alguns minutos voando, Bolinha não resistiu e mergulhou em direção a um monte de neve... Saltava contente e enfiava a cabeça na neve, se escondendo. Piava chamando a irmã:

- Mocinhaaaaa! Adivinhe onde estou!

A irmã ria e balançava a cabeça achando muita graça nas peraltices de Bolinha. 

- Olhe!!! - levantou vôo - Sou um floco de neve!!! - e planava na frente da irmã.

Mocinha, percebendo o avanço do dia, começou a ficar preocupada com o horário. E então, ralhou com a irmã!

- Comporte-se Bolinha! Viemos procurar um presente para mamãe! Foco no objetivo, guria!

E mesmo passando o dia voando sem parar, perceberam que embora a paisagem fosse linda, toda limpinha e branquinha, nenhuma flor conseguia sobreviver a tamanho frio. 

Já estavam desanimadas, quando viram bem ao longe um pontinho vermelho e marrom. Voaram depressa naquela direção, mas era apenas um esquilinho voltando para sua toca.

As duas não queriam voltar sem seu prêmio. Jamais admitiriam o fracasso perante suas irmãs. Mas o que poderiam fazer? Já estava escurecendo e Mamãe Coruja acordaria a qualquer momento. Se não as visse em casa, ficaria muito preocupada. Além disso, estavam tremendo de frio e mais um pouco, talvez nem conseguiriam voltar para casa, já que as penas estavam congelando.

Voltaram desoladas e nem tiveram coragem para entrar em casa. Sentaram no galho em frente à toca, onde Bolinha, a corajosa, agora chorava tristemente por ter fracassado. Com o frio, as duas estavam com as asinhas machucadas e geladas.

Mamãe Coruja acordou e saiu de casa ao ouvir o choro sentido de suas filhas. Compadeceu-se das duas, e entendeu imediatamente, que as duas tinham saído de casa. Também percebeu que elas estavam cobertas de neve e gelo. Tudo que Mamãe queria fazer agora era aquecer e cuidar de suas filhotinhas. Chamou as demais filhas, pois todas juntas envoltas pelas asas de sua mãe, com certeza conseguiriam aquecer as duas fujonas. 

E assim, num abraço coletivo, Bolinha e Mocinha se aconchegaram, deixando que o calor aquecesse suas penas úmidas e enregeladas.

Mamãe nem precisou brigar. Só seu olhar deixou as duas envergonhadas por saírem sem avisar à mamãe.Mocinha então, pigarreou de leve e disse: 

- Mamãe... desobedecemos à senhora... Saímos escondidas para procurar um presente que representasse todo amor que nós cinco sentimos pela senhora.

Mamãe Coruja deu um sorriso leve e disse:

- Filhotinhas Amadas, nenhum presente no mundo chega aos pés do bem mais precioso que eu tenho: VOCÊS.

Aquelas palavras aqueceram o coração das corujinhas que finalmente entenderam que não há presente maior no mundo que o amor.

|
Gostou?

11 comentários:

  1. Muito interessante a maneira como vc enfocou a história, Sammy, uma história para criaças pelos olhos infantis.
    Achei que enriqueceu bastante seu texto o fato de haver versos e prosa juntos. Sou fã de trovas e músicas pontuando a prosa, acho que colorem em muito a história principal.
    Comentarei apenas uma coisa pela qual esperei bastante mas, vai do enfoque da autora escolher o caminho pelo qual conduzir seu texto. Pensei que vc fosse valorizar no texto o fato de que as corujinhas são reais e mamãe coruja é uma pelúcia. Te confesso que não desenvolvi uma saída para isso, apenas alinhavei mentalmente uma versão assim... e estava beeeem curiosa para ler a sua! Mas sua criatividade tomou outro rumo, e não cabe a mim querer estreitá-la!

    ResponderExcluir
  2. Juro que não percebi que a coruja mamãe era de pelúcia! OMG, preciso trocar meus óculos! Se tivesse visto, certamente a história teria sido totalmente diferente.

    *olhando novamente a imagem* Rapaz... vou ter que escrever outra historinha...

    Estou realmente envergonhada de não ter visto que era de pelúcia... E olhei tantas vezes... contei as corujas... Até achei a mãe mais branquinha, mas como a Edwiges, a coruja de HP também é branquinha, só imaginei que as filhotas parecessem mais com o pai, vai saber?

    De qualquer forma, vou escrever uma nova história agora que você me chamou atenção ao fato da mãe não ser real... Até dava para aproveitar a história e mudar algumas coisas, mas mudaria muito a essência da minha idéia inicial. Então, vou pensar em algo e escrever um texto atendo ao fato de ser uma mãe postiça.

    Valeu pelo toque Marcinha!

    ResponderExcluir
  3. Uma história muito fofa!
    Amei Sammy! A escrita e o desenvolvimento ficaram ótimos. O poema do início então? Incrível! Que rima mais doce!

    Vou confessar aqui meninas....se não fosse a Marcinha tocar no assunto de que a coruja mãe é uma pelúcia...eu nunca ia reparar! kkkkkkkk

    Sammy querida....precisamos de óculos novos!!!!!!

    ResponderExcluir
  4. ok, vamos fingir q a coruja não é de pelúcia... rsrsrs

    Eu gostei muito da história, tem tudo que uma boa história para crianças precisa ter: Rimas, animação, aventura, e uma lição no final.
    Adorei as traquinagens da Bolinha, e como a mãe as aconchegou no final pra aquecê-las. Lindo!

    ResponderExcluir
  5. Paty, que bom que eu não fui a única a não enxergar que era de pelúcia! Me sinto aliviada agora, rs

    Denize! Tks pelo incentivo! Você que tem uma bebezinha linda me dizer que é uma boa história para crianças, me faz muito bem!

    Ainda assim, depois que a Marcinha chamou atenção para a coruja ser de pelúcia, surgiram novas idéias...

    ResponderExcluir
  6. "Foco no objetivo, guria!" - kkkkkkkkk

    "- Filhotinhas Amadas, nenhum presente no mundo chega aos pés do bem mais precioso que eu tenho: VOCÊS." - isso é típico de mãe falar.

    Agora, Paty e Sammy não se sintam tristes, eu nem reparei que a mamãe coruja era de pelúcia, rs.

    Sammy, o texto está fofinho, se eu tivesse um filho contaria pra ele antes de dormir, com certeza. Uma pena os outros 3 filhotes não terem nomes e histórias para contar, quem sabe numa próxima oportunidade, né?

    ResponderExcluir
  7. O "Foco no objetivo" foi em sua homenagem, Nanda!

    Bom... Paty e Nanda não repararam que era de pelúcia... Denize se absteve.

    Isso nos leva a crer que a única observadora (e que não precisa de óculos) é a Marcinha, rs!

    ResponderExcluir
  8. Ei, eu vi no dia q a Nanda mandou as imagens q a coruja era de pelucia, e fikei curisissima pensando em como voce sairia do "problema". Como assim soh a Marcia q eh observadora? :(

    ResponderExcluir
  9. Foi mal, Dê! Eu disse que você se absteve (porque disse: Vamos fingir que não é de pelúcia)...

    Aí fiquei em dúvida se você tinha reparado que era de pelúcia ou se tinha chegado a essa conclusão depois da postagem da Marcinha...

    Isso significa que metade das autoras precisa de óculos, rsss

    Mas ainda tenho planos de criar uma historinha fofa com a coruja de pelúcia (já até pensei um pouco nisso e estou com umas idéias)

    ResponderExcluir
  10. Eu li em primeira mão e dei uns pitacos na história, mas nada que alterasse o resultado! Enfim gostei bastante, principalmente porque ninguém morre no final, não é mesmo Sammy??? Parabéns pelo blog, li várias histórias e gostei bastante, Vou continuar visitando e comentando. Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Quel, isso é intriga da oposição! Eu não "mato" nenhum personagem há séculos! Aliás George RR Martin, deve ter aprendido com minhas historinhas e meus contos criados quando eu tinha entre 7 e 12 anos... Não sobrava um para contar a história, rsss

    ResponderExcluir

Comenta aê!

Copyright © 2009 Retalhos Assimétricos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive.