7

Desafio de Halloween

Posted by Denize Ternoski on 18 de janeiro de 2013 17:13 in , ,

Respondendo ao meu desafio de Halloween, agora né...
as frases foram:
1. Que palhaçada é essa?!
2. Assim não vai dar certo.
3. Você vai ver só!
4. Nunca gostei de gatos.
5. Para mim, de melancia por favor

Brincadeira Inocente


Cara, eu odeio o Halloween, e tudo começou naquela tarde amaldiçoada, era véspera de Halloween, eu e dois dos meus três melhores amigos estávamos na lanchonete na esquina da escola conversando e tomando suco, como sempre.
- Para mim, de melancia, por favor. – Ah, melancia, meu favorito... huuum... bem, estava saboreando meu suco quando Johny veio com aquela ideia maluca:
- Ei caras, vamos pregar uma peça de Halloween em Frank?
Bem, Frank é o meu outro melhor amigo (ou era), e não estava presente lá conosco, havia faltado a aula naquele dia e por isso não fora tomar suco. Ainda não sabíamos o que havia acontecido com ele.
- Sei lá se é uma boa ideia... – Eu respondi, geralmente prefiro ficar na minha, a preguiça é maior que a vontade de fazer qualquer coisa.
- Eu acho que vai ser divertido! – disse Maicon – O Frank é um amarelão, vamos só dar um sustinho nele, vamos lá Jeff!
- Ta bem, ta bem, - eu concordei – mas que não seja muito trabalhoso!
- O plano é o seguinte, - começou Johny – a senhora Penny, minha vizinha, tem um gato preto de dar medo, ele é mansinho, mas quem é que sabe? Vou pegá-lo e vocês dois vão até a casa do Frank, hoje a meia noite, maquiados como se tivessem sido atacados por algo muito feroz, e quando estiverem no quarto dele eu solto o gato lá escondidinho e vocês começam a gritar! Viu, vai ser fácil, mas ele vai se borrar de medo!
Ah cara, nunca gostei de gatos, mas resolvi ajudar, afinal quem ia ter todo o trabalho com o gato era o Johny, aliás achei que seria legar me divertir um pouco as custas de Frank.

Já era quase meia noite e até ali o plano ia bem, estávamos já maquiados e a maquiagem fora perfeita, estávamos com arranhões sangrando pelo corpo todo e olheiras roxas enormes. Esperávamos na frente da casa de Frank quando Johny apareceu com uma mochila preta e algo se remexendo muito lá dentro e miando alto, o que fez com que luzes no quarto dos pais de Frank se acendessem, eles deveriam estar incomodados com o som.
- Ah, cara, assim não vai dar certo! – eu disse – Esse gato tem que parar de miar ou os pais de Frank é que vão abrir a porta para nós.
- Calma, ele vai parar! – Johny falou, ele estava ficando irritado com aquele gato e deu um chute na mochila, o que só piorou a situação pois o gato começou a berrar lá dentro. – Quieto! – ele gritou.
Para nosso azar o pai de Frank saiu na janela nesse momento e nos viu lá em baixo.
- Que palhaçada é essa?! – ele gritou da sua janela e nós corremos indo nos esconder do outro lado da casa.
- O que fazemos agora? – Maicon perguntou.
- Vamos para casa. – eu opinei, ofegante.
- Não, - disse Johny decidido – nós não viemos até aqui pra nada.
Olhamos para ele como se estivesse louco, o plano já havia dado errado, o que mais faríamos? Ouvimos passos fortes e apressados dentro da casa, o pai de Frank descia as escadas, e haviam passos um pouco mais leves atrás dos dele, a mãe de Frank descendo atrás, deduzimos. Johny espiou pela janela da cozinha e viu os dois indo para  a porta da frente, provavelmente nos procurar.
- Vamos! – disse Johny e abriu lentamente a porta da cozinha e foi entrando.
- Ei, o que você vai fazer? – eu perguntei.
- Você vai ver só! – ele respondeu – me sigam.
Relutantes, o seguimos e ele foi até o quarto de Frank, que ainda dormia, e roncava, apesar de tudo. Entramos no quarto e ele abriu a mochila bem em cima de Frank, o gato havia ficado momentaneamente quieto, mas assim que se viu livre atacou  a primeira pessoa que viu na frente, com raiva, e essa pessoa era Frank, que acordou assustado e se apavorou ainda mais ao ver um gato preto o arranhando e dois dos seus amigos “sangrando”. Ele saiu correndo para o corredor, tentando se livrar do gato, Johny ria alto, mas eu e  Maicon estávamos com pena do pobre Frank.
- Feliz Halloween! – Johny gritou, entre os risos, mas Frank nem olhou para ele, estava apavorado demais e foi direto para a escada.
Eu e Maicon corremos para tentar segurá-lo, mas não deu tempo, Frank e o gato rolaram escada abaixo. Os pais dele correram para ver o que havia acontecido enquanto olhávamos espantados do alto da escada, e Johny continuava rindo como um louco.
Depois foi tudo ainda mais assustador, os gritos dos pais dele, a policia, a ambulância, o hospital... Graças aos céus Frank só quebrou um braço e uma perna, esta vivinho da silva e até já se recuperou, mas jurou nunca mais falar conosco, os pais dele nos odeiam também e estão até pensando em se mudar para outra cidade. Acho que nunca mais vou gostar do Halloween.

|
Gostou?

7 comentários:

  1. Sempre tem um garoto mal e idiota em todo grupo de amigos não é mesmo?
    Muitas brincadeiras de inocente não tem nada...pobre Frank! Acho que esse Johny devia ter tido algum tipo de punição.
    O texto foi bem desenvolvido Denise e gostei do tema proposto. Os errinhos eu vou deixar pra Sammy relacionar aqui depois. ^^

    ResponderExcluir
  2. Cara!!! Amei a estória, Dê... Juro que quando o garoto caiu da escada, fiquei tensa... O pessoal aqui anda numa pegada de matar personagens, fiquei até com medo de dar de cara com mais uma morte, mas o fim foi perfeito também!

    Correção? Não vi nada assim, gritante. Talvez alguns parágrafos pudessem ser desmembrados para ficar menores, principalmente no começo da estória. Mas o restante está BÓTIMO (Bom+Ótimo)!!!!

    Parabéns, adorei!

    ResponderExcluir
  3. Ai Sammy, tenho problemas com paragrafos grandes porque gosto mesmo é de escrever livros, histórias loongas, dai paragrafos grandes não ficam estranhos ou ruins... :(

    ResponderExcluir
  4. Rapaz... o Frank é dos meus, a casa tá caindo e eu tô dormindo, amarradona. kkkkkk

    Achei alguns errinhos:

    Problemas de aliteração (viu tia Sammy, aprendi!)

    "Ah, melancia, meu suco favorito... huuum... bem, estava saboreando meu suco" suco 2 vezes na sequencia.

    "presente lá conosco, havia faltado a aula naquele dia e por isso não fora tomar suco conosco." - conosco 2 vezes na sequencia.

    --------------

    "aliás achei que seria legar se divertir um pouco as custas de Frank" - seria "me divertir" não?

    "Eu e maicon corremos para tentar segurá-lo" - Maicon com letra maiúscula.

    De resto, o texto tá bem legal, leve, fluiu bem. :-)

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito, Olhos! Pobre Frank, mas foi um típica história de Halloween mesmo, época de travessuras realmente. Mas eu fiquei curiosa... o Frank, coitado, se quebrou um bocado na queda... e que fim levou o gato?

    ResponderExcluir
  6. Acho q o gato fugiu, porque não vi mais ele! hehehehehehe

    ja vou lá corrigir Nanda

    ResponderExcluir

Comenta aê!

Copyright © 2009 Retalhos Assimétricos All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive.